“São demais os perigos desta vida...

ARTIGOS - 08:56:40

 A vida é longa e os perigos são muitos. Durante toda nossa existência, vamos nos esquivando de situações de risco. A busca pela sobrevivência é inerente a todos os animais.

            Existem as doenças das quais tentamos nos livrar escolhendo uma alimentação balanceada, atividades físicas e, se por acaso, ela nos acomete, corremos para as consultas, exames, remédios e diversos tipos de tratamento.

            Há os perigos no trânsito – nas ruas da cidades e nas estradas – aos quais estamos expostos por conta da embriaguez, descuido, sono ou cansaço dos motoristas. Esses acidentes estão longe de nosso controle, já que, para acontecerem, não dependem somente de nós.

            Há os fenômenos da natureza, que nos espreitam e, às vezes, traiçoeiramente tragam o ser humano; são enchentes, terremotos, tsunamis, raios, tempestades, deslizamentos. Nesses casos, também, o homem não tem como escapar.

            A violência urbana nos assusta a cada esquina e até dentro de casa. São assaltos, sequestros, homicídios, estupros, exploração de menores, enfim, crimes de toda sorte. As notícias da mídia nos chocam de tal forma que vamos tornando nossas casas uma fortaleza -  cada vez mais armada - na qual ficamos irremediavelmente presos.

            Há ainda os acidentes: incêndios, quedas, choques elétricos, afogamentos. Um coice ou mordida de animal, um prego enferrujado, um mosquitinho da dengue... Tudo isso nos mostra quanto nossa vida é frágil; como disse Guimarães Rosa, “Viver é muito perigoso”.

            Nesse contexto de luta pela preservação da espécie, causa-nos espanto alguém tirar sua própria vida, como fez Robbin Willians. Depois de estrelar em tantos filmes, com belas atuações – a maioria com mensagens otimistas – como explicar a escolha com relação ao seu fim?  

            É um momento sem nome, de desespero e desesperança, de cansaço pela vida. Dizem que o nosso maior inimigo está dentro de nós. Tenho a impressão de que no fundo de nossa alma existe uma fera adormecida que, ao menor movimento, se apronta para nos atacar.

É bom não julgar quem já passou por esse infeliz encontro e repetir a máxima bíblica que nos convença do contrário: “o reino de Deus está dentro de nós”.

            

Claudemir Cabreira

Claudemir Cabreira

Jornalista. 

VEJA TAMBÉM

teste

ga('send', 'pageview');