Justiça proíbe eutanásia de cachorro diagnosticado com leishmaniose

SAÚDE - 08:30:15
G1/Rio Preto
Justiça proíbe eutanásia de cachorro diagnosticado com leishmaniose

Depois de ser diagnosticado com leishmaniose, o cão de um casal de Pereira Barreto lutou contra a doença e contra a eutanásia. A medida foi solicitada pelo CCZ - Centro de Controle de Zoonoses - da cidade para evitar a disseminação da doença, a partir de uma portaria que determina a eutanásia em cães infectados. 
A decisão judicial abre um precedente para casos do tipo em Fernandópolis, já que desde que a doença apareceu na cidade, mais de 300 animais já foram sacrificados, segundo dados da própria CCZ. 
O caso em questão começou em 2016, quando uma equipe do CCZ constatou a doença no animal, que se chama Bolinha. O dono do animal, que não quis se identificar, recusou entrega-lo à eutanásia, entrou com um pedido na Justiça e informou que o cão poderia ser tratado com um medicamento permitido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e Ministério da Saúde.
A advogada de defesa do proprietário do cão, Tainá Buschieri, diz que a ação passou a correr no início de 2017. Ela informou que após a apresentação de uma contraprova e de um terceiro exame, o Bolinha passou a ser tratado por um especialista.
 “Então acrescentei no processo as novas provas e a portaria do Ministério liberou o uso do medicamento, já que até então só havia o remédio de uso humano. Mesmo assim, na época, a juíza determinou que entregássemos o cachorro para eutanásia. Recorremos da decisão e, agora em dezembro, o tratamento foi autorizado. Na nossa região não havia nenhuma decisão que permitia o tratamento”, afirma.
Ao julgar o recurso, o desembargador José Luiz Gavião de Almeida alegou que a medida restringe a possibilidade de tratamento e é contrária aos princípios constitucionais.
“Há ampla bibliografia científica documentando que o animal soropositivo para LVC, adequadamente tratado, sob supervisão de médico veterinário e protegido pelas medidas de prevenção, não apresenta protozoários na pele, não podendo, portanto, ser considerado infectante para o inseto transmissor, podendo conviver com seres humanos e outros animais. Assim, acolhe-se o pedido do apelante para evitar que o animal seja exterminado, devendo continuar sendo submetido a tratamento junto a médico veterinário, podendo o Poder Público acompanhar o tratamento e auxiliar o requerido, caso necessário, no combate da doença”, disse o desembargador, por meio de assessoria.
A advogada conta que atualmente o animal é medicado, está forte e saudável, sem apresentar sintomas da doença. “Agora nós temos que aguardar porque cabe recurso da prefeitura, já que a decisão saiu antes do recesso forense”, conclui a advogada.

 

VEJA TAMBÉM

teste

Costa Azul turismo
ga('send', 'pageview');