TJ nega embargos e manda prender Jarbas

GERAL - 15:46:05
TJ nega embargos e manda prender Jarbas

A 7ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça do estado de São Paulo negou os embargos de declaração interpostos pela defesa do médico Jarbas Alves Teixeira e determinou a expedição de mandado de prisão contra ele. Um ofício foi encaminhado, na sexta-feira, 2, ao juiz da 2ª Vara Criminal de Fernandópolis, Vinicius Castrequini Bufulin, com a decisão superior.

Jarbas e sua esposa Sueli Longo Teixeira foram condenados em primeira instância, respectivamente, as penas de oito anos e dez meses e dez anos e oito meses de prisão, pela tentativa de homicídio do médico e então amigo particular do casal, Orlando Cândido Rosa. 

Jarbas é único réu deste crime que ainda está em liberdade.  Sueli, Rodrigo Marcos Sampaio (o pistoleiro contratado pelo casal) e Ronaldo Henrique Mota Barbuglio (acusado de ser o mentor do crime) estão presos desde a elucidação do crime pela Polícia Civil de Fernandópolis. Rodrigo foi condenado a 17,6 anos e Ronaldo 20 anos de prisão.

No julgamento em segunda instância, Jarbas, Sueli e Ronaldo tiveram a sentença de primeiro grau mantida em sua integralidade. Já Rodrigo conseguiu reduzir sua pena para 16,7 anos.

O CASO

Segundo o inquérito policial que apurou a tentativa de homicídio contra o médico Orlando Cândido Rosa, Jarbas e Sueli começaram a receber cartas com conteúdo íntimo do casal e ameaças veladas.

 Os dois teriam concluído que o médico - amigo da família há 40 anos - seria o único com acesso a essas informações e, portanto, o autor das cartas. A autoria, de acordo com a Polícia Civil, era na verdade de Ronaldo - motorista de Jarbas e funcionário de confiança do ex-presidente da Unimed - que teria montado o plano para obter vantagens financeiras.

A mando do casal, o motorista teria contratado um atirador Rodrigo Marcos Sampaio para matar Orlando Rosa. O crime ocorreu na noite de 12 de junho de 2013, quando Orlando Rosa foi surpreendido em sua casa pelo atirador, por volta das 18h40, na residência situada na rua da Glória, nº 235, Jardim Santa Helena. Ele foi atingido por um tiro. Um segundo tiro resvalou na porta.

VEJA TAMBÉM

teste

ga('send', 'pageview');