Grupo Arakaki desiste fazer represa na Teotônio Vilela

POLÍTICA - 08:24:06
Grupo Arakaki desiste fazer represa na Teotônio Vilela

O Grupo Arakaki desistiu de realizar a construção de uma represa que havia sido anunciada como uma PPP – Parceria Público Privada – no início do ano. A Câmara Municipal chegou a modificar a legislação para que o projeto saísse do papel, mas menos de um mês depois disso a desistência foi anunciada pelo diretor do grupo Luiz Arakaki. 
A notícia foi dada pelo vereador João Pedro Siqueira (PTB) durante a sessão ordinária de ontem, 12. Luisinho o convidou para uma reunião e explicou os motivos que levaram o grupo a desistir da obra. 
“Hoje recebi um telefonema do empresário Luisinho Arakaki querendo falar comigo sobre o projeto de lei que foi aprovado no mês passado com relação ao represamento no loteamento Boa Sorte, do Grupo Arakaki. Nós aprovamos uma dação em pagamento de tributos, mas ele se reuniu comigo hoje dizendo que não irá mais fazer a obra. Ele disse que o momento não é financeiramente oportuno para a empresa, aí eu falo, se está ruim para o Arakaki, imagina para nós”, disse João Pedro. 
A PPP 
 Com a escassez de recursos travando quase tudo, a prefeitura bateu à porta do capital privado para resolver pendências que se arrastam há tempos. Uma PPP – Parceria Público Privada – iria contemplar a zona norte da cidade com um projeto que daria nova vida àquela região. O parceiro seria o Grupo Arakaki.
A PPP devidamente aprovada pela Câmara Municipal, autorizava o município a extinguir créditos tributários da Imobiliária Boa Sorte, por meio de dação de pagamento. De acordo com o projeto, o Grupo Arakaki vai lançar um loteamento na área compreendida da Expo até o Condomínio Sol Nascente, da avenida Augusto Cavalin até a avenida Teotônio Vilela - (crédito tributário extinto no valor de R$ 1 milhão).
Em contrapartida, o grupo arcaria com as obras para construção de represa e parque ecológico da Aldeia, que se transformaria em uma das maiores áreas de lazer da cidade, com arborização e infraestrutura completa. E importante: com a obra, a prefeitura também poderia, enfim, resolver o problema da Avenida Teotônio Vilela que há anos está interditada, por conta da destruição de ponte, orçada em R$ 2 milhões. 

VEJA TAMBÉM

teste

ga('send', 'pageview');