Sofre de enxaqueca? Fique atento aos riscos que a doença pode oferecer à sua saúde

ARTIGOS - 08:47:49
Sofre de enxaqueca? Fique atento aos riscos que a doença pode oferecer à sua saúde

A enxaqueca é uma doença hereditária que pode atrapalhar e muito o dia a dia das pessoas que sofrem desse mal. Apesar de ser uma doença séria, muitos a tratam como uma simples dor de cabeça e acabam recorrendo a automedicação na tentativa do alivio rápido da dor.

Uma pesquisa realizada pela Academia Brasileira de Neurologia (ABN), com 2,3 mil pessoas, mostrou que mais de 80% dos entrevistados se automedicaram para combater suas crises, 58% indicaram medicamentos para outras pessoas e 50% aceitaram as recomendações.

Ocorre que o uso excessivo de analgésicos sem orientação médica pode contribuir para a evolução da doença, onde uma dor que antes era episódica transforma-se em uma dor crônica, cada vez mais forte e diária, criando um processo de dependência, onde o organismo passa a exigir doses cada vez maiores e medicamentos cada vez mais fortes.

Os principais fatores que contribuem para o desenvolvimento da doença são:

  • Estresse
  • Obesidade
  • Sono inadequado
  • Jejum prolongado
  • Alimentação
  • Tempo seco

Considerada uma doença incapacitante (que produz incapacidade parcial para desempenhar as tarefas cotidianas e as atividades laborais do ser humano), a enxaqueca atinge cerca de 15% da população mundial.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 30 milhões de brasileiros sofrem da doença. A maioria são mulheres, que além dos fatores listados acima, sofrem com fatores hormonais, principalmente devido ao uso de anticoncepcionais que podem contribuir para o aumento do risco de se desenvolver doenças cardiovasculares, como infarto e AVC.

Pesquisas realizadas na Dinamarca e nos Estados Unidos apontam que:

  • A cada mil pessoas com enxaqueca, 25 sofreram um ataque cardíaco;
  • A cada mil pessoas com enxaqueca, 45 sofreram um acidente vascular cerebral isquêmico;
  • A cada mil pessoas com enxaqueca, 47 apresentaram fibrilação atrial (uma arritmia cardíaca que favorece o AVC).

Apesar de ser uma doença comum, ainda não existem medicamentos específicos para a enxaqueca, quadros crônicos geralmente são tratados com remédios específicos para outras enfermidades, como por exemplo: epilepsia, depressão e até doenças cardíacas. É fundamental o acompanhamento médico, uma vez que as substâncias contidas nos medicamentos podem ocasionar efeitos colaterais importantes.

Registrar as manifestações e crises em um caderno de anotações, como por exemplo a intensidade e localização da dor, horários e sintomas, são importantes e auxiliam o médico a traçar o melhor tipo de tratamento para o paciente.

Laboratório Paulista

Laboratório Paulista

Av: Amadeu Bizelli - 1409 - Centro - Fernandópolis 

FONE: 17 - 3442 - 3002

www.laboratoriopaulista.com.br

VEJA TAMBÉM

teste

ga('send', 'pageview');