Quase pronta, “Praça do CEU” se degrada enquanto não é entregue à população

GERAL - 07:59:37
Quase pronta, “Praça do CEU” se degrada enquanto não é entregue à população

Um requerimento da vereadora Neide Garcia (PP) apresentado na sessão de terça-feira, 2, da Câmara Municipal chamou atenção mais uma vez para uma obra que se arrasta há pelo menos oito anos em Fernandópolis: a praça do CEU - Centro de Artes e Esportes Unificados -, no bairro Albino Mininelli. 

De acordo com o projeto inicial, o empreendimento terá gestão compartilhada entre a Prefeitura e a população do bairro, mas problemas com a empreiteira, depois com pagamentos do governo federal fizeram com que a obra não saísse do papel até hoje. A área, de 2.348,40 m² de terreno não tem muros, uma vez que “a intenção era reforçar a ideia de que o centro pertence à comunidade”, segundo a administração municipal. Porém, diante de toda a demora o efeito está sendo inverso. 
CIDADÃO visitou ontem, 4, a praça e não encontrou nenhum colaborador da empresa responsável pela obra no local, mas sim usuários de drogas - em plena luz do dia -aproveitando as salas construídas para se esconderem e desfrutarem tranquilamente de seus entorpecentes.
 As edificações, instalações hidráulicas e elétricas, bem como pintura, portas, janelas e vidraças estão aparentemente concluídas. Porém, em entrevista também ontem ao programa Rotativa no Ar, da Rádio Difusora, o prefeito André Pessuto (DEM) disse que a Prefeitura ainda não recebeu a obra e que falta pagamentos a serem concluídos pelo Governo Federal. 
“Falta um remanescente de pagamento para a empresa para então a Prefeitura fiscalizar e assumir a obra. Falta também a compra dos equipamentos internos que ainda estamos finalizando, pois como foi uma obra que demorou muito, os equipamentos e os próprios internos tiveram muita alteração de quando começou o projeto até hoje, então essas alterações estão dando um pouco de dor de cabeça, mas estamos trabalhando muito para até o final do ano a gente entregar essa obra”, disse o prefeito.   
Após a conclusão o CEU contará com uma unidade do CRAS - Centro de Referência de Assistência Social - e com atividades como telecentro, biblioteca com acervo em braile e cineteatro com capacidade para 60 pessoas, além de laboratório de informática e pista de caminhada, a qual circundará o centro. As atividades esportivas funcionarão 24 horas por dia, possibilitando que os moradores da região escolham o melhor horário para exercitar. 
O valor total do projeto, que inicialmente se chamou PEC - Praça dos Esportes e da Cultura -, é de R$1.949.382,21, sendo R$ 1.535.996,10, através de convênio com o Ministério da Cultura e R$ 413.386,11 de contrapartida do município. 
ULTIMATO 
Em janeiro a Prefeitura deu um ultimato a empreiteira responsável pela obra para que a concluísse até abril deste ano, sob pena de cancelamento do contrato. Na época, o secretário de Obras, Arthur Höppner, disse que esta seria a última chance que a empreiteira teria para concluir a obra. 
“Trabalhamos com dois prazos anteriores: o primeiro era julho do ano passado, depois a empreiteira alegou problemas e estendeu para 31 de dezembro. Formalizamos novo acordo, porque neste momento não é interessante para o município romper o contrato. Isso causaria muitos transtornos. Teria que ser feito realinhamento dessa sobra de serviço, a Caixa teria que aprovar para depois abrir novo certame licitatório. Resolvemos dar esta última chance a empreiteira, com prazo de entrega até abril”, disse ele na ocasião.
Na ocasião, a obra já havia consumido R$ 1,2 milhão e ainda faltava concluir outros 25% do projeto. Sete meses se passaram, desde então, e a obra ainda não foi entregue ao município e tampouco o contrato rompido. 

VEJA TAMBÉM

teste

ga('send', 'pageview');