Prefeitura estima gastar R$ 700 mil para bancar Raio X fora da UPA

ARTIGOS - 19:21:10

A Unidade de Pronto Atendimento, a UPA de Fernandópolis, funciona desde setembro de 2016, foi ameaçada de fechar em 2017, já estamos em 2019 e ainda não foi instalado um aparelho de Raio X para atender a demanda da unidade. Pois bem, a prefeitura abriu esta semana nova licitação, modelo pregão menor preço, para contratar empresa especializada na prestação do serviço de radiologia, 24 horas por dia, todos os dias da semana, para atender os pacientes que chegam a UPA. Para fazer frente a essa despesa, foi reservado no orçamento verba de R$ 708 mil.

A falta do aparelho de raio-X não implica apenas na necessidade de contratar um serviço fora da unidade. Desde que a UPA começou a funcionar, esse serviço é prestado pela Santa Casa, que dispõe de Unidade de Radiologia dentro das exigências do edital. Deve ser novamente habilitada para continuar prestando esse serviço. O problema, é o desconforto que isso gera. O paciente é levado para a UPA, passa pelo atendimento médico e, na necessidade de um raio X, é deslocado para a Santa Casa para a realização do exame. Para isso, a prefeitura precisa manter um veículo com motorista para o translado.

Por que não se instala um Raio X na UPA? A questão é complexa. A prefeitura alega problema com o RH, ou seja, a contratação de funcionários para operar o serviço 24 horas, fator que comprometeria a folha de pagamento que estaria no chamado limite prudencial.

Para dirimir exatamente essa interrogação, o vereador João Pedro Siqueira protocolou requerimento na primeira sessão deste ano, questionando a prefeitura sobre essa situação. O vereador indagou a quantidade de radiografias realizadas em 2018, o custo dessa operação e quanto custaria à prefeitura instalar, contratar pessoal e manter o serviço na UPA. O vereador confirmou que ainda não tem essas respostas. Já licitação aberta pela prefeitura para contratar o serviço está marcada para 8 de março, às 8h30.

Bate pronto

  MULHER NO COMANDO – Acontece neste domingo, 24, no Palácio 22 de Maio Prefeito Edison Rolin das 8 às 13 horas a eleição do novo Diretório Municipal do PSDB. E como de praxe, o partido vai para a convenção definido sobre a presidência, segundo revelou o atual presidente João Sabino Filho. A ex-secretaria municipal da Educação, Flávia Resende, sobrinha do atual deputado Gilmar Gimenes, vai ser confirmada como presidente do Diretório Municipal. As eleições municipais de 2020 estão no radar do partido, que desde Armando Farinazzo não tem papel de protagonismo eleitoral.

  BAIXA NA EQUIPE – O prefeito André Pessuto tem mais uma baixa na equipe do Almoxarifado. Depois da saída de Artur Hoppner do comando da Secretaria de Obras, agora quem está se despedindo do cargo de gerente do Almoxarifado é ex-vereador Francisco Arouca Poço. Em entrevista ao Rotativa no Ar nesta sexta-feira, Chico confirmou que está indo para Frutal para ajudar o filho Emerson Arouca no projeto da Cervejaria Império naquela cidade. “Saio de cabeça erguida, fiz o melhor que pude para ajudar Fernandópolis. É uma decisão difícil, porque gosto desse trabalho. O prefeito me deu liberdade de ação e posso dizer que a cidade está muito melhor do que quando assumimos”.  O prefeito ainda não anunciou quem ocupará o cargo a partir de 1º de março.

  NOVA EMPRESA - Um dos projetos aprovados em regime de urgência na última sessão da Câmara tratava sobre autorização para abertura de crédito adicional suplementar, por excesso de arrecadação, no valor de R$271.831,21 para a contratação de empresa especializada para conclusão da execução da infraestrutura do acesso ao Parque Industrial VI, em virtude da rescisão contratual com a empresa Construtora Vilarinho Ltda – EPP. Nesta sexta-feira, 22, a prefeitura publicou termo de ratificação, adjudicação e homologação da dispensa de licitação para contratação da empresa Noromix para conclusão da obra. O prefeito André Pessuto seguiu parecer jurídico.

  COMPASSO DE ESPERA – A decisão do TSE – Tribunal Superior Eleitoral de cassar o mandato do prefeito de Meridiano Orivaldo Rizzato (PSDB) e da vice Márcia Cristina Adriano de Lima (PTN), acusados de compra de votos, acirrou ainda mais os ânimos na vizinha cidade, que saiu dividida das eleições, decidida por apenas oito votos. Por enquanto, Val Rizzato continua exercendo o mandato já que ainda não foi notificado. Aguarda-se a publicação do acordão do julgamento realizado no dia 12 de fevereiro. Só após a notificação é que a Câmara poderá dar posse ao prefeito interino, cargo que será ocupado pelo atual presidente do legislativo Maicon Fabiano de Oliveira (Podemos). Ele não quer falar antes de assumir o cargo por uma razão simples: o caso está dividindo a cidade e qualquer fala agora poderá ter interpretações diferentes e acirrar mais os ânimos. Prefere aguardar a decisão da Justiça Eleitoral. 

Claudemir Cabreira

Claudemir Cabreira

Jornalista. 

VEJA TAMBÉM

teste

ga('send', 'pageview');