Bastidores

ARTIGOS - 10:22:31

ESTÁ...

no Google. O vice-prefeito é o segundo na hierarquia do Executivo municipal. Caso o prefeito precise se ausentar por motivo de viagem, licença, ou tenha o mandato cassado, quem assume as funções do titular é o vice.

POIS...

bem: o prefeito André Pessuto viajou (Inglaterra e Espanha), mesclando passeio e consulta médica, e quem ficou no lugar dele é Procurador de Assuntos Jurídicos, João Ignácio Pimenta, conforme despacho do Executivo, expresso no Decreto 8.345.

A DELEGAÇÃO...

contempla “o exercício das Funções Administrativas previstas nos incisos IX, XV e XXIV do artigo 66 da Lei Orgânica pelo período de 14 a 28 de junho do corrente ano de 2019”. Portanto, amparada por lei.

ISSO...

pode? Para lembrar Arnaldo Cezar Coelho, da Globo, a resposta é sim, pode. No caso de Fernandópolis, o difícil é explicar aos fernandopolenses - em que pese o direito do prefeito de fazer uma viagem -, a opção dele pelo assessor para ficar no lugar do vice-prefeito. Desconfiança? Se existe está nos escaninhos do poder.

FOI...

tudo combinado, “na boa”? A considerar a declaração de Gustavo Pinato, não. Questionado, tão logo ocorreu a publicação do decreto do prefeito, o vice disse que ficou “surpreso” e que tomou conhecimento do fato pela imprensa. Do irmão, deputado Fausto, do prefeito André, e do assessor indicado, nenhum pio.

CONSULTAMOS...

fontes da intimidade das partes. Pela reserva nas colocações, a análise é que não houve necessidade de transmissão do cargo ao vice, por se tratar de um período curto de ausência, e também, pelo feriado de Corpus Christi, na quinta, e ponto facultativo na sexta, “uma semana morta”, na avaliação de um assessor municipal.

A DELEGAÇÃO...

de poderes a assessor pode soar estranho, mas não é novidade na política fernandopolense. Em 1983, Rubens Stropa, vice de Newton Camargo,  foi “desapeado” das funções de vice logo no começo do mandato. Em seu lugar “assumiu” João Carrasco, de Rio Preto, agraciado com o cargo de “assessor especial” para exercer amplos poderes; até para assinar cheques, na ausência do prefeito Camargo.

NO...

caso de 83, Stropa, que teve a proeza de figurar na chapa dos três candidatos do MDB, na eleição de 1982, Newton Camargo, Fernando Sisto e Manoel Terra Verdi, rompeu com Camargo e nunca mais se falaram. 36 anos se passaram e agora  estamos diante de um fato parecido. Como reagirá a dupla Pinato, composta de um vice-prefeito e um deputado?

 

 

 

 

Alencar Cesar scandiuzi

Alencar Cesar scandiuzi

Jornalista e Radiodifusor

VEJA TAMBÉM

teste

ga('send', 'pageview');